«Bairros de Nova York»: Explorando West Village com Pauline Lévêque

Entrevista com Rachel Brunet, diretora e editora-chefe do Petit Journal New York

BARNES New York convida você em sua série de artigos intitulados “New York City Neighbourhoods”, onde você pode regularmente descobrir os diferentes bairros da cidade, aos olhos dos francófonos que ali se instalaram. Eles nos contam tudo sobre sua vizinhança, em suas palavras, seus gostos, seus hábitos. Hoje, damos um passeio no West Village, na companhia da ilustradora Pauline Lévêque. Com seu marido, o escritor Marc Levy, e seus dois filhos, ela mora neste bairro de West Manhattan há doze anos. A artista, que expõe nos dias 11, 12 e 13 de novembro no Brooklyn, nos mostra seu bairro, com suas inspirações e hábitos. E sem dúvida, suas alegrias do dia a dia…

Lepetitjournal.com Nova York: Você mora em West Village. O que te atraiu neste bairro?

Pauline Lévêque: Antes de me estabelecer no Village, meu marido e eu morávamos em Londres. Tem um lado inglês, verde e calmo neste bairro, mas aqui o céu é azul quase todos os dias. As ruas são charmosas, os brownstones são excelentes, e você não sente o frenesi de Nova York. É um pequeno refúgio de paz no coração de Manhattan.

Você pode nos contar sobre a vida neste bairro, a atmosfera? O que o faz viver, o que o move?

Realmente é a vida de uma aldeia. Conhecemos nossos vizinhos, o entregador da UPS, os comerciantes, os idosos da vizinhança, o aquarelista que desenha as esquinas, o violoncelista que toca as mesmas músicas há doze anos, o vendedor de cigarros, o passeador de cães ... E nós encontre um bando de cachorros! Quase tantos quanto crianças! É muito alegre e cordial passear pelas ruas da Vila. Mas dependendo das festividades, como no desfile de Halloween, não é incomum encontrar personalidades extravagantes, felizes ou assustadoras. As lojas da Bleecker Street sofreram muito com a pandemia, mas como o resto da cidade, estamos sentindo uma nova vida e descobrindo novas marcas. Os restaurantes estão todos instalados nas calçadas e nas ruas, o que confere um lado “bistrô” europeu.

Você é uma mãe. Como é a vida com filhos e família na TriBeCA? Existem muitas famílias?

Sim muito. Meus filhos vão para uma escola na vizinhança e a maioria de seus amigos mora lá. Vamos para a escola a pé ou de scooter, encontramos amigos no caminho. É fácil para jogos de última hora e voltas no playground também. Sentimo-nos muito seguros no Village. É um bairro muito “amigo das crianças”. Como prova, o caminhão da sorveteria circula diariamente quase o ano todo!

Você é um artista. Você pode nos fazer descobrir este distrito com suas palavras? Este é um bairro que te inspira?

Muito. O panorama das ruas arborizadas, os becos das casas geminadas, a vista das margens do rio Hudson ... A área não tem muitos prédios altos em comparação com o resto da cidade, então posso ver o céu a cada caminhada , observe os telhados de pequenos prédios com suas torres de água, divirta-se com o grafite e veja a Freedom Tower entronizada no final da 7ª Avenida.

Você pode descrever onde mora, o que o atraiu, o que você gosta na sua casa?

A vila é diferente de todas as outras partes de Manhattan. Ao contrário do resto da cidade, as ruas não são numeradas, mas têm nomes. Antes de morar aqui, eu sempre me perdia neste bairro, e tinha uma queda pela esquina da Perry Street com a W4th. Tenho a sorte de morar perto deste canto que me fez sonhar. E ainda não me canso disso.

Como europeu, encontra um pouco de europeu neste distrito através dos habitantes, das lojas, das escolas?

Absolutamente! Acho que a grande maioria das pessoas no West Village são americanas, mas a área realmente tem um toque europeu. A propósito, Diptyque, Sandro, Maje, Bash podem ser encontrados na Bleecker Street. As escolas estão em escala humana.

Seus lugares favoritos no West Village?

Ao longo do rio Hudson, a loja de roupas infantis “Pink Chicken” na Bleecker Street, os restaurantes “Mary's fish camp”, “La Sevilla”, “Buvette”, “Bobo”, “Nami Nori”, “En Japanese»… Rua gay , Morton and Bedford Street, St Luke's place… Smalls jazz club na W10th. Etc etc!

É um bairro que você recomenda para quem quer comprar ou alugar?

Claro, para ambos. West Village é uma área cara, mas se você puder pagar, é a melhor área para eu morar.

Se você tivesse que descrever o West Village em três palavras?

Encantador. Calma. Vila!

ESPECIALISTAS DISCUTEM - West Village

Mercado de aluguel em West Village: Durante o terceiro trimestre de 2021, o aluguel médio de um apartamento em West Village foi de $3.000 para um estúdio, $4.000 para um de 1 quarto e $5.500 para um de 2 quartos.

Mercado de vendas em West Village: No terceiro trimestre de 2021, em todo o West Village, o preço médio pedido aos vendedores é $2,100 / pés quadrados.

Entrevista com Rachel Brunet, diretora e editora-chefe do Petit Journal New York

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese
Cookie Consent com Real Cookie Banner