Vender sua casa quando você se divorciar: qual é o processo?

De Myriam Benhamou

Uma das consequências difíceis de um divórcio é que muitas vezes você tem que vender a casa da família. Claro, muitas vezes as casas são vendidas e por uma variedade de razões - por exemplo, a necessidade ou desejo de comprar maior ou menor, ou mudar de bairro ou cidade - e embora esses eventos possam certamente ser uma causa de ansiedade e apreensão, isso Em geral, pode-se presumir que os vendedores vivenciarão esse evento relativamente bem e que a maioria até ansiará por se mudar para sua próxima casa. Mas quando a motivação é o divórcio, a situação tende a ser bem diferente e, a menos que o divórcio seja amigável, há uma boa chance de que a venda seja muito mais difícil.

Para entender melhor a situação, devemos primeiro falar sobre a importância da casa da família antes de podermos discutir os desafios inerentes à sua venda e como enfrentar esses desafios e, por fim, destacar as vantagens de trabalhar com uma imobiliária especializada em divórcio.

A importância da casa da família

Para começar, a casa é um bem que provavelmente terá significados diferentes para as partes envolvidas e se torna ainda mais complicado quando ainda há filhos morando em casa.

  • Em primeiro lugar, há o aspecto emocional - o lar guarda memórias e, para muitos, memórias de uma época mais feliz quando os cônjuges tinham sonhos e faziam planos juntos para o futuro. Foi uma testemunha dos primeiros passos do bebê, festas de aniversário ou jantares familiares. E embora as memórias felizes possam gradualmente ter se transformado em memórias ruins (às vezes até pesadelos), ter que deixar a casa ainda pode ser difícil de aceitar, e isso geralmente é devido ao que a casa da família tradicionalmente representa.
  • Na verdade, a casa da família é geralmente sinônimo de estabilidade, segurança (especialmente para as crianças) e, para alguns, até mesmo status social. 
    • Possibilita delimitar o perímetro familiar e dar suporte aos familiares.
    • Contribui para o sentimento de pertença e a noção de identidade.
    • É um santuário que protege a nossa privacidade e alberga tudo o que é importante para nós e ao qual estamos apegados (sejam pessoas, pertences pessoais ou lembranças).
    • Por fim, preserva o vínculo familiar e social e é, portanto, o lugar onde se espera que as crianças cresçam. 

As consequências podem ser catastróficas para o cônjuge que é forçado a deixar a casa; consequências muitas vezes amplificadas no contexto de “divórcio cinza”, em que os casais se separam tarde, após várias décadas passados juntos. “Divórcios cinzentos” são difíceis para ambas as partes, mas infelizmente, muitas vezes ainda mais para as mulheres do que para os homens, e podem prejudicar seriamente as finanças de ambos os cônjuges. Na verdade, é mais difícil reconstruir financeiramente por razões óbvias relacionadas à idade e ao fato de que não resta tanto tempo para encontrar trabalho ou continuar trabalhando. Da mesma forma, um dos cônjuges pode não ter tido o mesmo progresso na carreira ou potencial de ganho. Como resultado, a jornada de vida de um ou de ambos os cônjuges freqüentemente será completamente interrompida.

Então, quais são os desafios?

Desafios

Eles são numerosos e estão presentes em todas as etapas da transação.

  • Motivação.  As motivações e expectativas dos cônjuges em relação à venda podem ser completamente diferentes. Por exemplo, um dos cônjuges pode querer vender o mais rápido possível (e, portanto, não necessariamente pelo preço mais alto) para poder recomeçar sua vida com a pessoa que já conheceu. Mas para o outro cônjuge, quanto mais alto for o preço de venda da casa da família, melhores serão suas chances de encontrar um apartamento decente
  • Acordo de vendas exclusivo. Se ambos os cônjuges forem titulares, ambos devem assinar o contrato de venda exclusiva com o corretor imobiliário - o que significa que o corretor representará ambas as partes, em situação que pode ser bastante conflituosa.  
  • Falta de cooperação. Representar um casal pode ser difícil no melhor dos casos, mas pelo menos os cônjuges têm um objetivo comum: vender a casa pelo melhor preço possível; e, portanto, é razoável antecipar a possibilidade de encontrar um acordo comum. Aqui, porém, os objetivos são diferentes, as motivações são diferentes e acima de tudo a venda terá consequências que podem ser radicalmente diferentes para cada parte. Há, portanto, uma boa chance de que as partes tomem decisões separadamente e sejam contenciosas sobre quase tudo e qualquer coisa.
  • Preço de venda. Antes de assinarem o contrato de venda exclusiva com o corretor imobiliário, as partes devem acertar o preço de venda. Podem surgir vários cenários: uma festa está muito ligada emocionalmente à casa e pensa que vale muito mais do que na realidade; ou uma parte pode querer obter o máximo de dinheiro possível porque precisa dele após o divórcio, pois seu futuro financeiro pode depender de quanto dinheiro é derivado da venda; ou as partes simplesmente passaram a se detestar e não querem cooperar. Isso pode levar a brigas ferozes entre os cônjuges, com muito pouco espaço para um resultado razoável.  
  • Dinâmica de vendas. As partes também devem concordar com detalhes como a preparação da casa para a venda (por exemplo, organização e armazenamento, o que requer alguma cooperação e custa dinheiro); tempos aceitáveis para visitas de potenciais compradores; ou quanto gastar em publicidade ou marketing.
  • Oferta. Ambas as partes devem aceitar uma oferta e estar dispostas a negociá-la.
  • Fechamento da transação. Por fim, os cônjuges devem aceitar e assinar os documentos necessários para o fechamento da venda, o que, por sua vez, requer alguma cooperação.

Como enfrentar esses desafios e quais são as vantagens de trabalhar com uma imobiliária especializada em divórcio?

Qual é a melhor maneira de enfrentar esses desafios - e por que é importante contratar um agente imobiliário especializado em divórcios? Como foi demonstrado, uma venda resultante de um divórcio não pode ser tratada como uma transação normal porque não é uma transação normal.

  1. Por que um agente imobiliário especializado em divórcio é um trunfo

Para receber a certificação de “Especialista em divórcio certificado por bens imobiliários”, um agente deve receber treinamento prévio que lhe permita reconhecer os desafios aplicáveis e lidar com eles antes que se tornem incontroláveis. Este especialista está mais bem equipado do que um agente mais tradicional para ajudar um casal que está se divorciando, porque ele ou ela tem uma melhor compreensão das ramificações de um divórcio (sejam financeiras, legais ou psicológicas) e seu impacto na venda da casa. O agente pode, portanto, fornecer ao casal divorciado o suporte necessário durante todo o processo. 

2. Como esses desafios podem ser enfrentados?

É importante trabalhar com um agente imobiliário que saiba:

  • Permaneça neutro. O agente deve primeiro lembrar que o agente representa ambas as partes e que podem ser muito improváveis de cooperar entre si - mas, no entanto, o agente deve permanecer neutro e imparcial e deve ter uma abordagem diplomática para cada decisão (incluindo saber quando é aconselhável dar às partes o espaço de que precisam para chegar a um consenso). Isso nem sempre é fácil porque, em alguns casos, um dos cônjuges já saiu da casa conjugal, o que significa que por necessidade (por exemplo, organizando visitas) o agente tende a estar mais em contato com um dos cônjuges do que com o outro, e às vezes esse cônjuge fica gradualmente mais confortável e pode entregar-se a algumas confidências que podem afetar a neutralidade da representação.
  • Comunicar. O agente deve explicar muito claramente como pretende se comunicar com ambas as partes (lembrando que ambas devem estar sempre informadas e da mesma forma).
  • Confie em fatos. Decidir sobre o valor da casa pode ser difícil porque as partes muitas vezes têm ideias muito diferentes sobre o valor da casa em questão. O agente deve propor um preço de venda que claramente se baseie na realidade do mercado. Ele ou ela terá, portanto, de preparar uma avaliação detalhada e baseada em fatos, em que o agente terá de fato de demonstrar em detalhes as vendas comparáveis anteriores para deixar claro que o preço proposto está de acordo com o mercado. É também uma forma de remover o aspecto emocional da equação.
  • Seja flexível. O agente deve saber como permanecer flexível (e paciente!). Alguns cônjuges, de fato, tornam-se verdadeiros mestres na arte de atrasar a venda.

Myriam Benhamou é um corretor de imóveis licenciado e um especialista em divórcio certificado por imóveis e está à sua disposição, sempre ansioso para atender às suas necessidades de moradia e proteger o seu interesse. Entre em contato com a BARNES New York abaixo para nos contar mais sobre suas necessidades.

Contate-Nos

pt_BRPortuguese
Cookie Consent com Real Cookie Banner