«Bairros de Nova York»: Explorando o Upper East Side

Entrevista com Rachel Brunet, diretora e editora-chefe do Petit Journal New York

BARNES New York convida você em sua série de artigos intitulados “New York City Neighbourhoods”, onde você pode regularmente descobrir os diferentes bairros da cidade, aos olhos dos francófonos que ali se instalaram. Eles nos contam tudo sobre sua vizinhança, em suas palavras, seus gostos, seus hábitos. Hoje exploramos o Upper East Side, com JC Agid, fundador da 37EAST, uma agência de consultoria de mídia e desenvolvimento nos Estados Unidos, México e França.

Rachel Brunet para o Le Petit Journal New York: Você mora no Upper East Side. O que te atraiu neste bairro?

JC Agid : por acaso, é claro, em um dia de setembro anos atrás. Durante minha primeira estada em Nova York, a viagem de última hora decidida em menos de 48 horas, com uma semana para preencher entre o final dos meus estudos e meu trabalho em Bry-sur-Marne. Esperava na calçada de uma rua do Upper East Side, não muito longe do Central Park, a chegada de uma família que um amigo parisiense me apresentara por telefone para me hospedar por duas ou três noites. Voltei dois anos depois para Nova York e com exceção de um ano passado na 113th Street no bairro da Columbia University e outro no topo de uma torre sem alma na intersecção do Central Park North e West, acabei sempre morando no Upper East Side.

Mas mudei para andares diferentes, horizontes diferentes também. Depois de ter vivido por muito tempo em um apartamento em uma daquelas pequenas casas geminadas que se alinham nas ruas tranquilas a oeste do Upper East, um paraíso para ratos e chuveiros de água quente ou gelada, me acomodei no último andar de um enorme prédio de apartamentos perto do East River. À minha frente, uma vista ambiciosa, até gigantesca, com o Carlyle, as copas das árvores do Central Park, Columbus Circle, Times Square e New Jersey em constante espetáculo.

Você pode nos contar sobre a vida neste bairro, a atmosfera? O que o faz viver, o que o move?

A atmosfera ? A de um bairro sem turistas, de uma cidade organizada, quase monótona. Vivemos em Yorkville, mas não a visitamos. Há lojinhas aqui e ali, rostos que encontramos todos os dias, histórias que compartilhamos. Mas estamos longe do charme dos bairros de Carnegie Hill ou Morningside Heights. Há em Yorkville uma estranha quietude e calma familiar trazida pelas escolas vizinhas.

Você mora perto de uma escola francesa (Lycée Français). Ouvimos muito a língua de Molière na UES?

Como em qualquer lugar em Nova York, você ouve todos os tipos de idiomas e, às vezes, inglês. Muitas famílias francesas moram perto do LFNY (escola francesa de ensino médio de Nova York) e os alunos do ensino médio trazem um som muito particular para este distrito. Este não é um bairro onde você pode se exibir, pelo contrário, você quase tenderia a se esconder lá.

Seus lugares favoritos, seus bons lugares para ir ou talvez até seus hábitos?

Foto de um croissant quente sentado em uma revista em preto e branco com um café cremoso, em uma mesa de café.

Les Frenchies, na 75th Street, entre York Ave e FDR, a porta ao lado da LFNY, para croissants, é a melhor da cidade junto com outra padaria na 78th Street. Mas além de croissants e pains au chocolat, quiches e éclairs de café, encontro a patroa Michèle Saint Laurent e sua companheira, Aksana Ivaniuk. Todos os meus amigos passam algum tempo lá com seus filhos a qualquer hora do dia. Mais do que uma padaria com terraço, Les Frenchies se tornou a pequena mercearia francesa do bairro. Há sempre um ambiente sorridente, familiar e alegre. Les Frenchies é o coração da minha discreta aldeia. Isso não tem preço. O melhor endereço do bairro.

Havia outro café também, com um toque mais americano, mas este, o Beanocchio's, foi vítima econômica da Covid19 e fechou definitivamente. Gostei de sua atmosfera provinciana.

Na 76th Street, quase na esquina da 1st Avenue, Jones Wood Foundry para um long drink no bar e refazer o mundo com os amigos.

Um pouco mais adiante, Mission Ceviche na Second Avenue e 72nd Street, sem dúvida um dos melhores restaurantes da região. Bem ao lado, La Esquina e seus tacos cujo ambiente me projeta nas ruas de Coyoacan, na Cidade do México, no vilarejo de Frida Kahlo e Diego Rivera.

Foto do interior de uma livraria tradicional com paredes cobertas de livros usados coloridos e uma mesa na frente cheia de livros também.

Também adoro este minúsculo - e já é uma grande palavra - mercado de sábado de manhã na 82nd Street entre York e a 1st Avenue, contanto que você seja particularmente paciente nestes tempos de distanciamento social. A poucos metros de distância, na York Avenue, costumo parar no açougueiro Ottomanelli, graças a quem pude preparar paupiettes de vitela em regime de confinamento total; um pouco mais acima em York, às vezes vou ao Dorian's pelos prazeres do mar e de carteiras furadas, e do outro lado da rua, acima de tudo, está a Logos Bookstore, uma livraria antiquada - da própria resistência - onde o cheiro dos livros e a madeira domina, o lugar perfeito para passear ou procurar um presente que o dono vai embrulhar para você, uma raridade em Nova York.

Perto da 3rd Avenue e da 76th Street, outro açougue fica de frente para Sables, o endereço ideal se você gosta de salmão defumado e brunches de bagel. Para os fãs de sushi, o Sushi of Gary na 78 entre York e a First Avenue é conhecido por ser um dos melhores da cidade. Por fim, a Sotheby's na 72nd com a York Avenue dá um pouco de importância e vaidade a essas ruas remotas da cidade.

Esse é um bairro que você recomendaria para quem quer comprar ou alugar um lugar?

Cabe a todos tomar uma decisão, dependendo do Nova york eles procuram… No que me diz respeito, o meu ambiente exclusivo é esta vista excepcional, de madrugada em que o sol se reflecte nas janelas de Manhattan, ao final do dia claro, e à noite, quando a cidade procura dormir em vão.

Cada bloco tem seu próprio estilo e logo acima da 79ª fica a East End Avenue, um burguês destino para celebridades que buscam discrição.

O trem Q, a recente linha de metrô da Second Avenue, aproxima esse bairro, às vezes considerado o início de um subúrbio, do restante de Manhattan. A Union Square fica a menos de 30 minutos e o Carnegie Hall a 20 minutos.
 

Se você tivesse que descrever o Upper East Side em três palavras?

Chique e despretensioso do lado do Central Park. Discreto e ambicioso ao longo do East River.

Vista do Upper East Side de cima, com parte do Central Park aparecendo à esquerda e o horizonte ao norte de Nova York.

Especialistas discutem - Upper East Side

Mercado de aluguel:

Em janeiro de 2021, o aluguel médio de um apartamento no Upper East Side era de $ 1.900 para um estúdio (-16% em um ano), $ 2.404 para um quarto (-11%), $ 3.300 para dois quartos (-2%) e $ 6.000 para três quartos (-4%).

Mercado de vendas:

Em dezembro de 2020, no Upper East Side, o preço médio pedido dos vendedores ficou em $ 1,4M, caindo cerca de 2% ano a ano para $ 1.300 / pé quadrado. Por outro lado, o preço de venda registrado é de $ 1,1M, dadas as negociações relacionadas à pandemia Covid-19 neste contexto incerto. Observe que os condomínios resistiram mais com um preço médio pedido de $ 1,7 milhão para um preço de venda real de $ 1,622.000.

Entrevista com Rachel Brunet, diretora e editora-chefe do Petit Journal New York

Leia o artigo no Le Petit Journal New York

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese